estacaogeek.xpg.uol.com.br

WebMedia XPG

Top 10 Alimentos Vilões


alimentos-viloes

 

 

 

 

 

 

Alguns alimentos são verdadeiros vilões da sua saúde! A farinha de trigo e os lácteos, por exemplo, são alimentos que muitos clientes nossos tem intolerância. Se este for o seu caso, estes alimentos estão entre os piores para você.

1) Refrigerantes

Possuem em sua composição açúcar (sendo em torno de 6 a 7 colheres por copo), adoçantes, e aditivos químicos (como corantes e conservantes), não trazendo nenhum beneficio e sendo considerado apenas uma caloria vazia. Todos esses “não nutrientes” atrapalham vias metabólicas e são enxergadas como toxinas pelo corpo, que nem sempre consegue eliminá-las e acabam se acumulando no organismo, principalmente nos tecidos gordurosos. Esse acúmulo irá desencadear processos inflamatórios e dificuldade de perda de peso, fazendo com que o organismo use suas reservas musculares para conseguir controlar essa inflamação. Para os meus clientes, gosto muito de indicar refresco de frutas e águas aromatizadas feitas com água gaseificada ou água com ½ limão espremido dentro (com ou sem gás).

 

2) Gordura trans

A indústria de alimentos criou a gordura trans para melhorar a conservação e o sabor de alimentos. Pipocas de micro-ondas, margarina, batata-frita, sorvetes, biscoitos recheados e salgadinhos possuem essa gordura, que é extremamente ruim para a saúde. Mesmo que na embalagem do produto mostre que o alimento é zero gordura trans, deve-se ficar atento, pois aquela classificação é feita pela porção. Temos como exemplo o biscoito recheado, onde a porção de 2 biscoitos possui zero gordura trans, mas será que você come somente 2 biscoitos? Por isso, na hora de fazer compras, leia o rótulo e fuja dos produtos em que “gordura vegetal hidrogenada” apareça na lista de ingredientes. Quando estão no organismo, essas gorduras levam a processos inflamatórios, que contribuem para aumento do colesterol ruim (o LDL) e formação de placas nas artérias, podendo levar a infartos e derrames. Pode contribuir para aumento de gordura abdominal e no fígado, aumentando o risco para síndrome metabólica e diabetes. Além disso, um corpo inflamado tem maior dificuldade em aumentar a massa magra e manter a já existente. Experimente preparar em casa sorvetes de frutas (batendo fruta congelada com um pouco de leite vegetal ou água), biscoitos caseiros e pipoca de panela (usando óleo de coco ou azeite), feitos com ingredientes do bem e livres desses contaminantes.

 

3) Sal

Estudos mostram que os brasileiros consomem mais do que o dobro do que deveriam consumir. Esse excessivo consumo, que vem do sal que adicionamos à comida e de produtos em pacotinhos, aumenta os casos de pressão alta.  O sal também promove a retenção de líquidos, queixa muito comum no consultório. Esse acúmulo de líquidos leva a um falso resultado no processo de emagrecimento, pois muitas vezes a pessoa já teve perda de gordura, mas que fica mascarado na balança devido ao excesso de água ainda presente no corpo. O sal branco, que é o mais utilizado no preparo de alimentos, passa por muitos processos industriais até virar aquele pozinho branco e soltinho que vemos. Outra armadilha são os temperos prontos, aqueles de pacotinhos e tabletes. Além de várias substâncias químicas, eles contêm uma grande quantidade de sal, não sendo indicado utilizar no dia a dia. Produtos que nem imaginamos também contem sal, como refrigerantes, tabletes de caldos industrializados, adoçantes, biscoitos e salgadinhos. Nas embalagens, o sal aparece como sódio, glutamato monossódico, bicarbonato de sódio. Por isso, sempre peço aos meus clientes que fiquem atentos aos rótulos dos produtos e que comprem o mínimo possível de produtos industrializados. Também vale substituir o sal refinado por sal marinho ou sal rosa, que não passam por processo de refinamento e preservam seus minerais. Não use temperos prontos. Gosto muito de indicar o sal de ervas, que além de saboroso, auxilia na redução do consumo de sódio. Faça seu sal de ervas em casa, usando 1 parte de sal rosa para 3 partes de diferentes ervas desidratadas (alecrim, manjericão e tomilho, por exemplo).

 

4) Açúcar

O açúcar é um grande vilão da saúde. O açúcar branco, que ainda é o mais utilizado, é obtido do refinamento da cana de açúcar, onde há a perda de todos os nutrientes e adição de substâncias químicas para gerar esse açúcar fino e branquinho. Quando no organismo, o açúcar é rapidamente digerido e absorvido, elevando os níveis de glicose de forma brusca e gerando sensação de bem estar e energia. Mas esse aumento da glicose também é acompanhado do aumento de insulina, hormônio responsável por armazenar a glicose nas células, gerando a queda brusca da glicose e, após 1 a 2h, a sensação de fraqueza, sonolência, tremor de mãos, dor de cabeça, sudorese e ansiedade. Esse excesso de açúcar no corpo também é armazenado sob a forma de gordura, levando ao aumento de peso. Por isso que o consumo de grandes quantidades de açúcar e carboidrato levam a necessidade constante por alimentos ricos em açúcar, como chocolates, bolos, pães, massas e refrigerantes. Isso gera um ciclo vicioso, sendo cada vez mais difícil deixar de lado o consumo desses alimentos. Hoje em dia outros tipos de açúcar estão sendo mais difundidos pela indústria, como açúcar mascavo, demerara e açúcar de coco. O açúcar de coco, que é obtido da polpa do coco ao invés da cana, possui um índice glicêmico menor, ou seja, ele é absorvido de forma mais lenta pelo organismo. O açúcar mascavo e demerara são oriundos da cana, mas não passam pelo processo de refinamento, conservando nutrientes. Esses açúcares, mesmo possuindo qualidade melhor que o açúcar branco, atuam no organismo da mesma forma, estimulando a insulina e desencadeando todo o processo de  vicio e armazenamento sob forma de gordura. Desestimule o paladar doce reduzindo a quantidade de açúcar nas preparações, do café e sucos.

 

5) Farinha de trigo

O trigo está presente em muitos produtos consumidos pela grande população, como pães, bolos, biscoitos, massas e salgadinhos. Estudos já mostram que o trigo consumido hoje em dia é bem diferente daquele usado na época de nossas avós. Para acompanhar o crescimento da população, o trigo precisou ser modificado para que a indústria pudesse produzir em maior quantidade os alimentos feitos à base de trigo, já que o consumo aumentou com o passar dos anos. Esse trigo modificado consumido em excesso começou a causar alterações intestinais e processos inflamatórios no corpo, como dores articulares, má digestão, intestino preso, dores de cabeça e alergias respiratórias. Alimentos feitos à base de trigo, por serem ricos em carboidratos, levam a sensação de bem estar momentâneo, estimulando o cérebro e o organismo a sempre querer mais, gerando um ciclo vicioso. Esse consumo excessivo leva ao acúmulo de gordura e dificuldade na perda de peso. Caso vá consumir pães, massas e biscoitos prefira aqueles livres de glúten (como farinhas de linhaça, chia, castanhas, quinoa…). Não faça desses alimentos a base de sua alimentação.

 

6) Lácteos de vaca

Assim como o trigo, o leite de vaca sofreu modificações ao longo dos anos para acompanhar o aumento do consumo pela população. As vacas recebem grande quantidade de rações manipuladas, hormônios e antibióticos para não ficarem doentes e produzirem leite o ano inteiro. Além disso, na indústria o leite sofre modificações que aumentam a validade e melhoram o aspecto do produto, deixando ele branco e livre de odor.  A proteína presente no leite, a caseína, também é considerada um grande agressor para o corpo, pois estimula processos inflamatórios por ser de difícil digestão e uma grande liberação de insulina, prejudicando a perda de peso e piorando a sensibilidade a insulina (podendo levar ao diabetes). Uma dúvida bem comum é se os leites sem lactose são melhores. A lactose é apenas o carboidrato presente nos leites e que, em algumas pessoas, contribui para o aparecimento de gases, diarréia e estufamento. Laticínios isentos de lactose são indicados, mas não são a solução, pois ainda tem a proteína do leite presente. Reduza o consumo de leite e queijos. Prefira lácteos sem lactose e queijos curados (como canastra). Se você possuir algum grau de intolerância, substitua o leite de vaca por leites vegetais, como coco, amêndoa, castanhas.

 

7) Embutidos (blanquet, mortadela, presunto, salsicha, bacon, salame…)

Essas carnes processadas possuem em sua composição grandes quantidades de gordura, sal e substâncias químicas, como conservantes, corantes e aromatizantes. Em 2015, a Organização Mundial da Saúde, afirmou que essas carnes aumentam o risco de câncer intestinal e que um consumo de 50g por dia (4 fatias de presunto ou 1 unidade de salsicha) são extremamente prejudicais à saúde. Quando essas carnes passam pelos processos industriais, há a formação de substâncias tóxicas, que no organismo levam a formação de radicais livres, que vão atacar as células e diversos órgãos, levando ao envelhecimento precoce, alterações intestinais, enxaquecas e ao câncer. Prefira carnes frescas e varie o consumo com peixes e frango. Caso queira preparar um recheio de sanduíche, faça pastinhas com frango desfiado e atum usando azeite, por exemplo.

 

8) Álcool

O alto consumo de álcool leva a diversas desordens metabólicas pois, quando no organismo, ele estimula a formação de radicais livres e substancias toxicas, que levam ao envelhecimento precoce, dores de cabeça, alteração de sono, doenças relacionadas ao fígado e irritabilidade. Por possuir calorias, o excesso de álcool também leva ao acúmulo de gordura, principalmente na região abdominal. Esse tipo de gordura, chamada de gordura visceral, aumenta as chances de a pessoa desenvolver diabetes, hipertensão e doenças cardíacas. Deixe o álcool para consumo esporádico, como festas.

 

9) Cafeína

Para se manter acordado e com energia ao longo do dia, muitas pessoas acabam consumindo o café de maneira indiscriminada, achando que esta prática irá manter o corpo em maior estado de alerta. O excesso de café favorece a agitação, dores de cabeça e insônia, não sendo favorável para a saúde. Esse consumo de cafeína, além de ser oriundo do café, está presente em refrigerantes, energéticos, chá preto e chocolate. O ideal é consumir até 3 xícaras de café por dia e até às 15h, mas isso varia de acordo com cada pessoa. Outra dica é preferir café descafeinado e coado, pois café expresso contém uma quantidade de cafeína maior.

 

10) Adoçantes

Na busca pela substituição do açúcar, os adoçantes foram criados com a promessa de zero calorias e poder de adoçar, mas estudos já mostram que o consumo excessivo de adoçantes e produtos adoçados leva ao ganho de peso e dificuldade da perda de gordura, estímulo por alimentos doces, alteração da sensação de saciedade e mudanças na microbiota intestinal. Além disso, muitas pessoas entendem que por estarem consumindo um alimento “zero calorias”, podem consumir de maneira livre ou compensar com uma fatia de torta, por exemplo. Hoje em dia já existem alguns adoçantes que são considerados menos pior, como xilitol. Mas mesmo assim não deve ser usado de forma livre. Agora que você já sabe quais são os piores alimentos para se ter na rotina, comece a partir de hoje a mudar a lista de compras da sua casa.

Publicidade

Fechar

CONTATO

Preencha o formulário abaixo

Fechar

Hospedagem HTML Grátis sem limite

Infelizmente este serviço foi descontinuado e não será possível criar um novo cadastro


Fechar

BLOG Grátis

Infelizmente este serviço foi descontinuado e não será possível criar um novo cadastro


Fechar

Esqueci minha senha

Crie já o seu cadastro

Fechar

ESQUECI MINHA SENHA

 

Se você esqueceu sua senha, digite seu login abaixo.

Se você esqueceu seu login, digite seu e-mail abaixo.